Taquara promove a primeira Conferência dos Povos de Terreiros em fevereiro

Debater políticas públicas para as comunidades seguidoras de religiões de matriz africana. Este é o objetivo da primeira edição da Conferência dos Povos de Terreiros, que está sendo organizada pela Prefeitura de Taquara, através da Secretaria de Desenvolvimento Social, Trabalho e Cidadania. O evento será no dia 7 de fevereiro (terça-feira), voltado para os praticantes de religiões de matriz africana, assim como as entidades de Terreiros de Nação, Candomblé, Umbanda e Quimbanda no Município. O encontro busca discutir e deliberar estratégias de promoção da igualdade de credo, com a participação da população em atividades de planejamento, monitoramento e avaliação das políticas públicas de promoção aos povos de terreiros na cidade. 

O evento é aberto ao público e será realizado no Centro Educacional Indio Brasileiro Cezar, às 19h. De acordo com o secretário de Desenvolvimento Social, Trabalho e Cidadania, Maurício Souza Rosa, a Conferência Municipal é uma das etapas que antecedem as conferências Estadual e Nacional que abordam o tema. “Neste dia, será eleita a delegação que participará das etapas seguintes destes encontros. A partir das demandas elencadas em ações como esta, poderão surgir pautas para o debate de políticas públicas”, menciona.

Criação de um conselho municipal

Durante a conferência, será feita uma ata com a deliberação conjunta dos participantes, para ser encaminhada à Câmara de Vereadores como projeto de lei, visando a criação do Conselho Municipal dos Povos de Terreiros, que pretende construir políticas públicas voltadas aos seguidores de religiões de matriz africana. “É muito importante realizarmos ações deste tipo, de forma a ressaltar a igualdade religiosa, respeitando o credo de toda a população. Esperamos que seja um grande encontro”, ressalta a prefeita Sirlei Silveira.

Maurício complementa que a discussão de temas desta natureza é uma forma de respeitar o ser humano e a própria história. “Somos uma nação miscigenada. Na nossa região, temos uma influência da descendência africana. No entanto, não há a mesma valorização que outras influências culturais. A laicidade do Estado deve ser expressada nas mesmas oportunidades a todos. Sendo assim, cumprimos com esta agenda de forma respeitosa, viabilizando a captação de recursos a partir da participação das comunidades”, frisa. 

*Foto: Magda Rabie/Prefeitura de Taquara

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s