Trekking – vivência radical para modulação da coragem e superação

Todas as experiências que eu vivo, associo e crio conexões diretamente envolvidas aos aspectos de carreira, visto que meu dia a dia é orientar a carreira de pessoas que confiam em mim para colaborar na construção dos seus projetos de carreira e vida. Minha coluna no Drops do Cotidiano tem o objetivo de contribuir com a temática carreira, logo utilizo esse espaço para compartilhar metáforas e vivências que acredito que façam sentido e colaborem com reflexões para o desenvolvimento da sua carreira. 

Início de ano é propício para que aspiremos mudança na nossa vida, que façamos um balanço do ano anterior e possamos alinhar a rota para 2023. Caso você não tenha avançado em alguns aspectos da vida no ano anterior, pode vir a sensação de frustração. Importante, no lugar disso, alegrar-se com o que foi possível e, ao mesmo tempo, visualizar o que busca para este novo ciclo. É tempo de ampliar o leque de oportunidades.

Dentre as experiências vividas em 2022, qual a mais marcante? Quais os ensinamentos? O que você gostaria de vivenciar em 2023? 

A minha experiência mais marcante de 2022 foi vivida há alguns meses atrás – no meu primeiro trekking – 50 km de caminhada na ferrovia do trigo (de Muçum a Guaporé/RS), em um tempo recorde de apenas um dia e meio. Chegando a um nível de exaustão físico e mental. E, é claro, muitas reflexões que quero compartilhar contigo!

Gosto muito de trilhas em ambientes naturais, mas ainda não tinha me oportunizado viver a experiência de um trekking. Na verdade, eu nem sabia detalhes desse tipo de aventura. A única coisa que eu sabia a respeito é que era uma caminhada longa com a mochila nas costas. Eu estava super entusiasmada porque ganhei de aniversário uma mochila para trekking e precisava inaugurá-la. Sabia que iria caminhar pelos trilhos de uma ferrovia e pela primeira vez dormir sob um isolante térmico, em um saco de dormir. Eu estava adorando a ideia!

Dois dias antes, ao pesquisar mais sobre o trajeto, me dei conta de que seria mais desafiador do que eu imaginava, pois teríamos que passar por lugares inóspitos – pontes vazadas (com vãos entre um dormente e outro – um buraco num precipício, e sem lugar para apoiar os braços). O que me dava segurança era que meu parceiro de vida e de aventura já havia feito esta experiência e me passava tranquilidade e confiança.

Todas as pessoas para quem eu contei que faria um trekking perguntaram porque eu estava me submetendo ‘num feriadão’ a uma situação extrema como essa – percorrer 50 km em uma condição adversa ao invés de descansar? Minha resposta: porque tinha certeza que esta experiência transformaria a minha vida e colaboraria para o meu desenvolvimento, para superação de barreiras e para a modulação do meu comportamento diante das próximas dificuldades que se apresentassem na minha vida.

Chegou então o dia de carregar a mochila e viver essa experiência. Será que eu conseguiria? Quais as dores e emoções estariam por vir? Quais as reflexões eu poderia extrair para conectar com careira?

Decidi viver intensamente a experiência do trekking para aprender com esse momento. Afinal, além das reflexões que a vivência me provocaria, também seria uma prática física que por si só contribui para uma vida saudável. Movimentar o corpo pode estar associado a vencer os próprios desafios, além de servir como superação, elevar a autoestima, autoconfiança e a esperança, promovendo uma sensação de bem-estar.

Ao meu ver, o primeiro ponto comum entre o trekking e a carreira é que ambos são uma construção que exige entrega para que seja fluída, requer um olhar profundo sobre si, o reconhecimento de habilidades e dificuldades, que pressupõe a superação de adversidades externas e (principalmente) internas.  Fazendo esse endosso, a seguir relato meus maiores insight do trekking:

  1. ADVERSIDADES ESTARÃO SEMPRE PRESENTES. No trecho inicial a disposição estava ótima, mas as pedras pouco uniformes sobre as quais caminharíamos por 50 km estariam por toda a parte – era preciso se acostumar e criar um jeito próprio. *Na jornada da construção da carreira o caminho costuma apresentar desafios constantemente. O caminho se torna mais fluído ao saber que se está direção certa, pois cada passo dado aproxima mais do objetivo a ser alcançado. Uma dose de entusiasmo também ajudam a tornar o caminhar mais leve. 
  2. Ao ver as flores e natureza durante todo o percurso, intensificou em mim a sensação de GRATIDÃO PELO CAMINHO percorrido até aqui, por todos os dias da minha vida, pelas alegrias e conquistas e também pelas perdas e adversidades. É esse conjunto que me tornou a pessoa que sou e a gratidão é algo que está presente em mim. *Para dar os próximos passos de carreira carreira é muito importante honrar a sua história e aproveitar o repertório construído até aqui para seguir em frente.
  3. Eu já imaginava que seria incrivelmente desafiador passar pelas três pontes vazadas, incluindo a famosa ponte mula preta. E chegou a hora de passar pela primeira – minhas pernas tremiam – eu nunca vivera algo tão ameaçador. Porém, com A PARCERIA CERTA – Ele acreditou mais em mim do que eu mesma e me encorajou. Estava ali para dar a mão se fosse preciso. *É isso que eu também faço como Psicóloga consultora de carreira – acredito, encorajo e vou junto para que meus clientes façam a sua travessia com segurança.
  4. As pernas já não obedeciam mais e depois de 11 horas de viagem – 3 horas de carro e 8 horas a pé, avistamos um camping, logo após outra ponte vazada. Ver que estávamos quase no camping – O PONTO DE REVITALIZAÇÃO ESTAVA ALI – passou a ser uma motivação importante, ao mesmo tempo que o trem estava a caminho e seria delicado se ele passasse por nós durante a travessia da ponte. Haviam apenas pequenos recuos ao longo da ponte. Miramos no camping e passamos a ponte em tempo, sem a necessidade de usar os recuos. O trem veio logo na sequência. Agora já estávamos quase no camping e poderíamos nos instalar para o merecido descanso.
  5. Agora era hora de TIRAR A MOCHILA DAS COSTAS, instalar a barraca e preparar o acampamento. Eu quase não consegui mais mover as pernas na direção do chuveiro de água quente. Tivemos uma boa conversa, preparamos nossa refeição com alimentos e o fogareiro que levamos na mochila.  Tínhamos tudo o que precisávamos – boa conversa, um fogo de chão pra aquecer e a nossa comidinha. *A bagagem adquirida segue conosco pelos caminhos que decidirmos trilhar na carreira, bem como as parcerias e amizades. O autocuidado – descanso e alimentação são necessários para seguir o percurso.
  6. Hora de começar o segundo dia e concluir o percurso. Eba! A questão era que o corpo não estava bem recuperado. Ao caminhar por algumas horas, e passar por um dos 20 túneis do percurso, doía absolutamente tudo. E eu me conectei com uma dor emocional profunda – tive o meu principal insight – eu me dei conta que também posso fracassar, posso não conseguir, posso ‘não dar conta’ e não há problema nisso. Até então, na minha vida, eu já tinha passado com muita força por momentos de grande dor (falecimento do meu pai ‘aos 15 anos’, da minha mãe ‘aos 35 anos’, término de um relacionamento longo. Eu não me permitira cair. Mas no trekking eu me permiti cair e VIVER O SOFRIMENTO DE MANEIRA VULNERÁVEL e isto diante de uma das pessoas mais importantes na minha vida. Ficar cansada, sentir dor, chorar, desistir –  sou humana e não uma super heroína. E isto aconteceu uma segunda vez rumo ao final do percurso quando aceitamos ajuda de um cidadão da cidade de Guaporé (que nos ofereceu carona e nos levou do centro até a rodoviária). *Na carreira nem sempre as coisas dão certo – podemos ficar tristes, se lamentar e pedir ajuda. Também podemos aceitar ajuda quando alguém se coloca à disposição genuinamente para tornar nosso caminho mais fácil e para nos ajudar a chegar mais rápido.
  7. SUPERAÇÃO, AUTOEFICÁCIA E SENSAÇÃO DE FORÇA – foi assim que eu saí do meu primeiro trekking sensação. Que experiência! Anos de terapia em 1,5 dias. Me sinto mais preparada para os desafios que ainda virão e já estamos com data marcada para o próximo – de 5 dias dessa vez.

Já estava na construção de uma decisão para a minha carreira, afim de me dedicar mais horas para a consultoria de carreira e esta vivência do trekking me ajudou a ter mais coragem para esta nova etapa. 

Recomendo essa experiência e quais você quiser viver em 2023. Eu vou estar aqui para te ajudar a conhecer mais seus recursos internos, passar pelos túneis e pontes vazadas, traçar objetivos alinhados com o que almeja para a sua vida e, principalmente para viver uma vida mais autêntica, cheia de sentido com o reconhecimento que merece. 

Gostou de conhecer sobre essa experiência que eu relatei? O que mais te ajudou a pensar? Seu feedback é muito importante pra mim. Abraço, Lu Linden – @carreiraskarnalelinden

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s