Fragmentos ao Vento: 1945 no Festival de Gramado – um fato no interior do RS em meio a 2ª guerra mundial

A história de Senhorinha, uma mulher negra que vive junto a uma colônia de imigrantes alemães oprimidos pela ditadura do Estado Novo, é o enredo do curta metragem Fragmentos ao Vento: 1945. Retratando parte da história de São Leopoldo e outras localidades do interior do Rio Grande do Sul, a produção foi selecionada para a Mostra Gaúcha de Curtas evai estar presente no 48º Festival de Cinema de Gramado, que inicia nesta sexta-feira, 18. Como o nome sugere, o filme se passa em 1945, período em meio a uma ditadura que persegue quem não fala português, em meio a segunda guerra mundial.

O diretor do curta, Ulisses Da Motta, conta que o filme é a primeira parte de um longa-metragem que contará a história de uma família no decorrer dos últimos 100 anos, chamado Fragmentos ao Vento. A expectativa é que o projeto completo esteja pronto no prazo de três a quatro anos. “A ideia é que possamos viabilizar um longa-metragem que conte a história de uma família começando nos dias de hoje e indo para o passado até chegar na década de 1920”, comenta ele, destacando que o curta que estreia em Gramado deve percorrer o circuito de festivais até 2021.

Enredo, pano de fundo e pessoas da comunidade

A protagonista é vivida pela atriz Paula Souza e conta com cenas que percorrem locais turísticos de São Leopoldo, com importante contexto histórico. É o caso do Museu do Trem, onde funcionava a estação férrea que ligava o Vale do Sinos a Porto Alegre até a segunda metade do século XX, quando foi desativado. Na época em que a história do curta se passa, o espaço se encontrava em pleno funcionamento. A produção contou com o trabalho de artistas e técnicos da cidade, incluindo quase 20 figurantes. Entre eles, havia um casal particularmente animado em participar, Valdoir e Jussara Cardozo. Eles são pais de Marina Cardozo, roteirista do filme, que atualmente mora na Alemanha. “Eu achei tudo muito organizado, não tinha participado de um set de filmagens”, conta Jussara. “Eu, particularmente, cheguei a imaginar a história da minha figurante, de onde ela vinha, como era a relação com o marido que a esperava na estação”, complementa ela.

Além de São Leopoldo, as cidades de Montenegro, Sinimbu, Bento Gonçalves e Santa Maria do Herval serviram como pano de fundo para a produção. Nessa última cidade, a Caverna dos Bugres foi o local escolhido. “A região foi morada de populações indígenas e sua história a transforma no cenário perfeito para o curta. No filme, o local é refúgio do personagem Josué, descendente de indígenas vivido pelo ator Marcos Guarani”, diz Ulisses. O diretor destaca que a relação entre as populações originais da região e os colonos alemães também é um dos temas que o enredo aborda. 

Outro destaque da produção é a força feminina, presente não só no enredo de Fragmentos ao Vento: 1945, mas também por trás das câmeras. Mais da metade da equipe é formada por mulheres que ocupam cargos importantes da direção de fotografia e roteiro até trilha sonora e som. “Igualdade de gênero nas equipes é uma pauta levantada pelas profissionais do audiovisual. Há técnicas e artistas em todas as áreas da cadeia cinematográfica. Nossa equipe de câmera e elétrica é quase toda feminina, por exemplo”, conta o diretor.

A produção do diretor Ulisses Da Motta será exibida entre os dias 19 a 22 pelo serviço de streaming Canal Brasil Play, tendo em vista que pela primeira vez o Festival de Cinema ocorre de maneira virtual.

No trailer do curta é possível sentir a energia da produção e reviver o momento histórico da época, embalado por uma trilha bem tradicional. Confira:


Sobre o diretor:

O gaúcho Ulisses Da Motta é diretor, roteirista e produtor. Entre seus trabalhos de curta-metragem destacam-se os premiados O Gritador (2006) e Kassandra (2013). Seus filmes já participaram de eventos como Festival de Gramado, Festival de Havana, Cinefantasy e Fantaspoa, entre outros. Entre seus prêmios está o Troféu Assembleia Legislativa de Melhor Produção Executiva pelo curta Quero Ir Para Los Angeles (2019. direção de Juh Balhego) no Festival de Gramado. Trabalhou como roteirista nas séries de animação Universo Z (2015-2019) e Jogos de Inventar (2019). Fragmentos ao Vento: 1945 é o seu sétimo curta-metragem.   

Sobre o curta:

A produção do curta é da Colateral Filmes, Pé de Coelho Filmes e Ulisses Da Motta, em parceria com Forno FX, Shogun FX, e Ampli Studio. As Prefeituras de São Leopoldo, Sinimbu, e Santa Maria do Herval prestaram apoio institucional, cedendo espaços públicos para as filmagens. Já o apoio cultural é de Funny Feelings, Giordani Turismo, Studio Leo Zamper, Destak Móveis Rústicos e Locall.

Ficha técnica: Fragmentos ao Vento: 1945

  • Direção: Ulisses Da Motta
  • Roteiro: Ulisses Da Motta e Marina Cardozo
  • Produção: Eduardo Christofoli, Maiara Fantinel e Ulisses Da Motta
  • Fotografia: Tiemy Saito
  • Arte: Gianna Soccol
  • Figurino: Mariane Collovini
  • Música: Clarisse Diefenthäler
  • Som: Roberto Coutinho e Raysa Fisch
  • Montagem: Alfredo Barros
  • Elenco: Paula Souza, Bruno Fernandes, Ursula Collischonn, Frederico Vittola, Marcello Crawshaw, Marcos Guarani, Maurício Schneider

2 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s