Eu te amo e os 5 arrependimentos mais comuns à beira da morte

Tu consegues dizer eu te amo com facilidade? Fiz esta enquete ontem nos stories do meu insta e este foi o resultado: 64% disse que sim e 36% disse que não.

“Eu te amo!” é uma expressão usada por aqueles que querem demonstrar o seu amor, afeto e carinho por alguém com significado especial.

Eu te amo em alguns idiomas:

Português: Eu te amo
Alemão: Ich liebe dich
Espanhol: Te quiero
Francês: Je t’aime
Holandês: Ik hou van jou
Inglês: I love you
Italiano: Ti amo
Japonês: Aishiteru
Lituano: Tave myliu
Norueguês: Jeg Elsker Deg
Romeno: Te ubesc
Russo: Ya tebya liubliu
Turco: Seni Seviyorum

Já contei esta história antes, sobre a culpa que eu senti na minha adolescência quando perdi minha primeira pessoa próxima que eu amava e não tive a oportunidade de me despedir e falar do meu amor por ele: meu Vô Werno. O pior é que eu nunca tinha dito te amo em vida para ele. Eu tinha vergonha e por ele ser mais fechado, eu também não dizia.

Mas foi preciso perder o meu vô para trazer em mim este compromisso de dizer todos os dias eu te amo para as pessoas mais importantes neste mundo, porque guardar culpa por não ter dito eu não quero mais.

Este texto é para todos as pessoas que podem dizer eu te amo enquanto há tempo.

A enfermeira australiana Bronnie Ware, que trabalha com cuidados paliativos tomando conta de pacientes em suas últimas semanas de vida, escreveu sobre os 5 arrependimentos mais comuns à beira da morte. Inspirada pelas histórias que acompanha, ela criou um blog em que registra suas conversas com quem estava em seu leito da morte.

A falta dos amigos é uma das reclamações mais comuns no leito de morte.

1 – “Queria ter aproveitado a vida do meu jeito e não da forma que os outros queriam”.

O arrependimento mais comum de todos. Segundo Bronnie, quando as pessoas percebem que sua vida chegou ao fim, fica mais fácil ver quantos sonhos elas deixaram para trás. A saúde traz uma liberdade que poucos percebem que possuem, até que a perdem.

2 – “Queria não ter trabalhado tanto”.

Bronnie conta que esse desejo era comum a todos os homens que ela atendeu. Eles falam sobre sentir falta de ver as crianças crescendo ou da companhia de sua esposa. Isso não quer dizer que as mulheres não apresentem a mesma queixa, mas como a maior parte das pacientes da enfermeira são de uma geração mais antiga, nem todas precisavam trabalhar para sustentar a família.

3 – “Queria ter falado mais sobre meus sentimentos”.

Para viver em paz com outras pessoas, muita gente acaba suprimindo seus próprios sentimentos. De acordo com a enfermeira, alguns de seus pacientes até desenvolveram doenças por carregar esse rancor e esse ressentimento de nunca falar sobre o assunto.

4 – “Não queria ter perdido contato com meus amigos”.

Todos sentem falta dos amigos quando estão morrendo, afirma Bronnie. Segundo ela, muitas pessoas não percebem que sentem saudades dos amigos até as semanas que precedem sua morte.

5 – “Queria ter me permitido ser feliz”.

De acordo com Bronnie, muitas pessoas só percebem no fim que a felicidade é, na verdade, uma questão de escolha. O medo de mudar fez com que eles fingissem para os outros e para eles mesmos que eles estavam satisfeitos quando, no fundo, tudo o que eles queriam era rir e ter mais momentos alegres.

A importância de dizer EU TE AMO vai muito além de uma simples frase e o meu desejo é que o amor seja a melhor forma de começar e terminar o nosso dia. Dizem que o amor é um sentimento de carinho e de demonstração de afeto que se desenvolve entre seres que possuem a capacidade de demonstrar.

Alguns acreditam ser totalmente desnecessário dizer todos os dias “Eu te amo!”, pois uma ação pode demonstrar isso muito bem, como por exemplo, uma mensagem inesperada, um presente, uma visita, uma ligação ou até mesmo um simples bilhetinho carinhoso.

Atitudes são importantes, pois só dizer “Eu te amo” não sustenta este amor, mas será que só demonstrar com atitudes é o suficiente? Geralmente esse tipo de questionamento só é feito quando estamos para perder ou já perdemos alguém, seja em uma crise no relacionamento ou, infelizmente, num estado grave de saúde.

Será que minhas atitudes foram suficientes? Será que eu devia ter dito mais “Eu te amo!” durante todo esse tempo?

Dizer “Eu te amo!” não deve ser uma obrigação e muito menos dito quando não for de verdade. Dizer que a gente ama alguém tem que ser de coração. Tem que ser natural e tem que vir acompanhado de ações que demostrem o quão verdadeiras são essas palavras.

Diga “Eu te amo” sempre que tiver oportunidade. Apenas diga.

Lembrei das pessoas que têm dificuldade de dizer eu te amo, talvez elas não tenham escutado. A gente pode dar primeiro para receber depois.

Não ame em silêncio! Fale, faça e demonstre com atitudes e palavras, antes que seja tarde de mais.

Que o amor seja a melhor forma de começar e terminar o nosso dia!

Para quem quiser fazer o teste das 5 linguagens do amor me manda um WhatsApp que eu te envio (51) 997203107.

São eles: palavras de afirmação, toque físico, atos de serviço, presentes ou tempo de qualidade?

O meu é tempo de qualidade, qual será o seu?

Com amor, Muri.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s