Façamos valer nossa maior qualidade: a resiliência!

Poucas horas atrás, num comunicado inédito, o presidente da 33ª Oktoberfest de Igrejinha, Tiago Petry, informou o adiamento da edição da tradicional comemoração de outubro no Vale do Paranhana. Assim como o coronavírus mudou a rotina de praticamente todos nós, também impactou na organização da maior festa comunitária do Brasil.

Tento me colocar no lugar do presidente Tiago e da diretoria nesse momento de decisão. Para quem desconhece as “engrenagens” da Oktoberfest de Igrejinha, pode parecer uma decisão fácil de ser tomada, pode parecer um simples adiamento.

Mas a Oktober de Igrejinha é um grande espetáculo onde a maior parte do show acontece “nos bastidores”, no trabalho realizado pelos 3.000 voluntários. Costumamos dizer que é um evento com trabalho ininterrupto, pois mal termina uma edição, já se está programando a seguinte. E assim acontecia até meados de março, quando de fato a pandemia do covid-19 transformou nossa rotina.

Acredito que a tomada de decisão por parte da Amifest se baseou numa série de fatores, mas talvez um dos principais pontos tenha sido a preocupação com a segurança de visitantes, voluntários e demais participantes. Essa preocupação pode ser resumida numa palavra que se ouve falar muito, a empatia, que é a capacidade de “colocar-se” no lugar de outra pessoa. Então, imaginando-se no “lugar” dos participantes da Oktober, é que se optou por trabalhar de forma preventiva, evitando danos maiores, em termos de saúde e até mesmo financeiros.

Tomando por base essa situação de tomada de decisão vivenciada pela diretoria da Amifest, podemos fazer uma série de analogias.

A primeira é a necessidade de separar a emoção da razão num momento de decisão. Vamos imaginar: depois de 32 anos de atividades realizadas sem interrupção, é momento de um grupo assumir a difícil tarefa de comunicar isso a toda uma região ansiosa, que já incorporou a Oktoberfest de Igrejinha como rotina e “patrimônio”. Imaginem separar o amor a um evento que ultrapassou o conceito de uma celebração cultural e virou sinônimo de voluntariado, de transparência e de responsabilidade, ao mesmo tempo que temos que ouvir a razão e pensar qual é a decisão com menos impacto e mais adequada, considerando todas as variáveis possíveis.

Usando o gancho do termo “responsabilidade”, essa também é uma característica de quem exerce o cargo de liderança. Liderar um projeto, uma empresa, um evento, exige uma dose enorme de disposição, de serenidade, de desafios, ao mesmo tempo que proporciona uma dose incrível de experiências, de aprendizados, de conquistas e realizações.

Atrelada à responsabilidade, vem a coragem, pois ser líder é sair de uma zona de conforto e “colocar” a mão na massa e enfrentar situações adversas, algumas das quais não temos sequer ingerência. Em administração, usando termos da análise SWOT (Forças e Fraquezas, Oportunidades e Ameaças, na tradução para o português), a pandemia é o que chamamos de ameaça, já que não temos ingerência direta sobre o vírus.

Mas talvez a qualidade mais importante em um momento de decisão seja a resiliência, tão necessária em tempos atuais. A pandemia nos obrigou a uma adaptação à uma nova realidade, ao mesmo tempo que vislumbramos uma retomada e consequentemente uma melhoria num futuro que, esperamos, venha o mais brevemente possível.

E essa pausa da Oktoberfest de Igrejinha, atitude responsável e necessária nesse momento, demandará de todos nós uma dose extra de resiliência, pois temos um compromisso em retomar as atividades o mais breve possível, tão logo estejamos seguros a ponto de retornar às nossas atividades normais.

Cada diretoria da Oktoberfest de Igrejinha não é um grupo isolado, cada diretoria da Amifest é a representação de um trabalho comunitário, é a representação de uma crença e, porque não dizer, de um sonho permanente, o sonho de “sempre fazer melhor”. Os voluntários da Oktoberfest de Igrejinha têm um “motor” chamado esperança, que nos mantém ativos e confiantes. Foi esperança que trouxe os primeiros imigrantes para nossa região, é esperança que continuará nos movendo e nos dando força para realizar nossos maiores objetivos. Os antigos imigrantes usaram ao máximo o antigo ditado de que “a união faz a força”. Nada mais atual, nada mais verdadeiro. Juntos, fazemos mais, juntos fazemos melhor, juntos promovemos o bem. Presidente Tiago e diretoria da Amifest, estamos com vocês, prontos para em breve poder gritar a plenos pulmões, com energias renovadas: “Prosit”, “Danke” e todas as palavras que possam traduzir nosso orgulho de fazer a Maior Festa Comunitária do Brasil!                   

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s