Viver em Portugal: saiba porque pessoas da região escolhem as terras lusitanas como seu novo lar

Portugal é um dos destinos mais procurados pelos brasileiros para ser sua nova morada. De certa forma, o que pode até ser considerado um processo de migração inversa quando se olha para a história. Já há alguns anos, a terra dos nossos colonizadores é referência em muitas áreas. Muito além das belas paisagens e da atraente culinária, as terras lusitanas oferecem qualidade de vida e segurança, o que o situa entre os quatro países menos violentos do mundo. O país de Camões atrai o interesse dos brasileiros, sejam artistas, empresários, autônomos e anônimos que sonham com a possibilidade de ter melhores condições de vida e emprego no exterior. 

O advogado e especialista em direito migratório, Dr. Anselmo Ferreira Melo Costa, conta porque muitos brasileiros têm buscado Portugal para viver. “Tanto os menos financeiramente como os que estão em busca de reconstruir suas vidas têm visto em Portugal um porto seguro. Não é preciso aprender um novo idioma para imigrar e viver lá e existe uma política imigratória favorável a brasileiros, em especial profissionais qualificados e empresários que buscam se inserir no mercado europeu”, ressalta.

Ele revela que o país não está aberto a receber apenas luso-descendentes ou aqueles que já possuem cidadania portuguesa. “É possível viver em Portugal mesmo sem ter ascendência portuguesa. O título de residência emitido pelo SEF (Serviço de Estrangeiros e Fronteiras) não é algo exclusivo para europeus e seus descendentes. Atendidos os critérios, brasileiros podem ter documentos portugueses e até mesmo o Cartão Cidadão, que equivale ao RG no Brasil”.

A reportagem do Drops do Cotidiano conversou com algumas pessoas que escolheram Portugal como novo lar. Descubra porque esta terra é tão atraente e encantadora:

De mala e cuia, cães e gato
O casal Igo Borba, 40 anos, e Joseane Beche, 34 anos, de Parobé, chegou a primeira vez a Portugal em março de 2010. Por dois anos eles moraram na região de Alentejo, cidade de Ponte de Sor. “Retornamos ao Brasil, mas o nosso coração ficou aqui, tivemos a oportunidade de voltar de férias para rever os amigos em 2015 e em 2017. Sempre que voltávamos a esse país lindo, a certeza de que esse era o nosso lugar no mundo só aumentava”, conta Joseane. Em abril de 2018, os dois retornaram, desta vez para Lisboa, com mala e cuia, e acompanhados com dois cães e um gato. “A vida nos trouxe para o norte de Portugal e em 3 meses já estávamos estabilizados. Moramos na freguesia de Fradelos, que pertence a zona de Braga. Portugal sempre deu a chance de nos reinventarmos profissionalmente, além dos nossos trabalhos fixos, no setor têxtil e de combustíveis, estamos experimentando outras áreas. No Brasil, sempre estivemos envolvidos com o setor comercial”, contam.

Igo faz parte da Associação de Churrasqueiros de Portugal, entidade afiliada à World BBQ Association, e comenta que o português está descobrindo o gosto pelo churrasco. “Portugal é muito receptivo, um país absurdamente seguro, com uma gastronomia muito diversificada. Morremos de saudades de nossos pais, familiares e amigos que ficaram, mas sem dúvidas encontramos a felicidade aqui”, declaram.

Após o susto, o recomeço
A coach de mulheres e mentora em produtividade Luana Fernanda Rossa Scholles, 38 anos, mudou-se para Figueira da Foz, distrito de Coimbra, em agosto de 2019. Acompanhada do esposo e dos filhos, ela saiu de Dois Irmãos em busca de mais qualidade de vida. “Decidimos mudar depois de meu marido ter infartado, em fevereiro de 2018. Repensamos nossos valores, repensamos o que queríamos da nossa vida, que futuro queríamos oferecer para nossos filhos, e Portugal se encaixava nos critérios que havíamos definido”, conta. A família escolheu as terras lusitanas como destino por uma série de fatores. “Por conta da segurança, qualidade de vida, qualidade na saúde e educação, facilidade por conta do idioma, maior facilidade de conseguir visto e por conta da possibilidade de solicitar cidadania após 5 anos de autorização de residência”, elenca.

Um lugar para estudar e se encantar
Foi a possibilidade de dar continuidade aos estudos que levou a psicóloga Cátia Elisa Rückert de Igrejinha para Lisboa. Aos 33 anos, ela vive no país há um ano e oito meses, onde trabalha no atendimento em um hospital, cursa mestrado em Psicologia Social e das Organizações e faz estágio do mestrado em uma consultoria. Ela conheceu o país em 2016 e se encantou. “Senti que poderia ser muito bom viver aqui. Também pela facilidade da língua (parecida com o nosso português), segurança e por ter conhecidos já aqui”, relembra. A igrejinhense divide uma casa com outras pessoas, oportunizando muita troca de experiências. “Vivo em um quarto, em uma casa com uma senhora portuguesa e seu marido brasileiro, duas meninas brasileiras e um chinês”, conta.

Da crise econômica e momentos conturbados à segurança e tranquilidade
A arquiteta e paisagista Leila Rejane Garbatzki mudou-se há três anos para a cidade do Porto, onde divide apartamento com suas amigas. Nascida em Porto Alegre, antes de migrar para o outro lado do oceano havia morado 20 anos em Florianópolis. Em 2017, seu filho conseguiu um intercâmbio, com estágio e estudos na área de eletrônica. Ela lembra que, na época, vivia um momento conturbado. “Fui demitida da empresa que trabalhava há oito anos (após uma crise econômica do país). Fiquei desempregada, pediram o apartamento onde morava há 20 anos, minha mãe faleceu e um relacionamento que eu tinha na época não deu certo. Além disso vinha sentindo um distanciamento bastante grande da minha família (meus irmãos, etc…)”.

Por incentivo do filho foi conhecer o país, onde visitou a região e outros países Europeus. Em dois meses tinha conseguido trabalho e resolveu ficar. “Fui aos poucos me apaixonando pelo Porto e sua magia, suas paisagens cativantes, seus vinhos. Aqui há muita segurança e tranquilidade. A saúde pública funciona bem, o transporte público também e tem ótimos preços”, elogia.

O LinkedIn definiu o destino
Foram as oportunidades de trabalho que fizeram com que Daniela Niemeyer Lovatto e Robinson Lovatto escolhessem Portugal como seu novo lar. “Quando decidimos morar fora do Brasil, a primeira opção não era Portugal, mas algum país que falasse inglês. No entanto, quando o Robinson abriu seu LinkedIn para oportunidades fora do país, começaram a surgir oportunidades para cá, muito rapidamente. Acabamos embarcando na primeira oferta de emprego que ele teve”, conta Daniela. O casal trescoroense vive há pouco mais de dois anos em terras portuguesas e, atualmente, estão na cidade do Porto, onde contam que adoram viver. Robinson trabalha com desenvolvimento de software e Daniela é consultora de e-commerce, com projeto em andamento no Brasil e também um projeto iniciando em Portugal.

Deu vontade de se mudar também? Saiba os principais documentos que precisam ser obtidos para viver em Portugal:

  • NIF (Número de Identificação Fiscal): Também chamado de Número de Contribuinte, ele é equivalente ao CPF aqui no Brasil. O NIF é necessário para tudo em Portugal, seja para alugar um imóvel, abrir conta em banco, fazer compras ou declarar impostos. Ele é basicamente um código que o governo do país atribui a cada de um dos seus cidadãos. Deste modo, as Finanças em Portugal e a Receita Federal no Brasil podem identificar uma entidade fiscal nas declarações de Imposto de Renda, outros impostos e transações financeiras.
  • Segurança Social (NISS): Semelhante ao sistema previdenciário brasileiro, o NISS (Número de Identificação da Segurança Social) é atribuído quando se tem um contrato de trabalho ou quando se abre atividade empresarial em Portugal, seja ela unipessoal ou coletiva.
  • Conta Bancária: Não é possível iniciar atividade (equivalente ao MEI em Portugal) ou realizar algumas operações nas Finanças (Receita Federal Portuguesa) sem ter uma conta bancária em Portugal. O processo de abertura de conta é bastante burocrático e pode ser uma verdadeira dor de cabeça sem uma consultoria ou alguém que o ajude. É pedido o NIF, um comprovante de residência, comprovante de renda e cópias dos documentos pessoais na maioria dos bancos.

Segundo dados do SEF, considerado porta de entrada da Europa, Portugal já chegou aos maiores números de todos os tempos e quase 200 mil brasileiros vivem legalmente no país.

*As fotos de Portugal usadas nessa matéria foram cedidas pelo casal Igo e Joseane.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s