Para Grégorys e Joaquins

Joaquim chama-se, na verdade, Grégory. Assim mesmo, com acento no “e” e com Y no final. “Nome de pobre”, diz ele rindo, em alusão aos inúmeros registros de nomes exóticos registrados neste país.

Em público, Grégory diverte-se com o pseudônimo que lhe ocorre na hora. Apresenta-se como Joaquim, sem dar importância aos colegas que brincam porque sabem da sua verdadeira identidade.

Adolescentes, todos me fitam atentos neste bate-papo na Escola Estadual Berthalina Kirsch, em Igrejinha, onde participei falando sobre livros e jornalismo para uma simpática galera, a convite da colega jornalista Lidiani Lehnen, que assessora o vereador Guto Scherer, num projeto de incentivo à leitura.

Crônica Roseli

O mais interessante é que Grégory, ou Joaquim, tanto faz, vence a barreira da timidez e de imediato sai fazendo piada, debochando de si mesmo, para mostrar, talvez, seu verdadeiro talento, que é escrever. Lê um poema de sua autoria para a turma e antes do encontro acabar ele já havia escrito um pequeno conto, no celular mesmo, sobre um crime passional.

Sem medo de submeter-se à crítica de jornalistas e professores, Grégory, disfarçado de Joaquim, não se intimidou e aproveitou a oportunidade para expor sua incipiente produção literária, que já merece o devido respeito.

O jeito leve e a conversa descontraída revelam aos poucos a delicadeza e a força de vontade de quem só precisa de uma oportunidade, como todos ali naquela sala. Cada um com suas habilidades latentes, para começar a vida profissional, o que não é tarefa fácil para ninguém.

Fico imaginando como seria se não houvesse alguém para mediar esse aprendizado, incentivando esses jovens a ler, a escrever, a saber e a desbravar novas possibilidades. Como seria a vida sem escola, sem professores, sem essa troca enriquecedora entre Grégorys e Joaquins.

Nem todos os pais e meios virtuais são capazes de transmitir tantos conhecimentos quanto o que acumulamos dentro da escola nessa fase da vida, onde tudo é interessante, engraçado e, ao mesmo tempo, trágico, como o próprio nome. Grégory acha que tem nome de pobre, o que talvez lhe cause algum “constrangimento” imaginário por não gostar da escolha feita, na maioria das vezes, com muito orgulho, pelos pais.

Enquanto isso, Joaquim assume o comando e não esconde o desejo de continuar escrevendo, eufórico por compartilhar suas ideias com gente do meio, como nós escritores que, aliás, criamos personagens e nos camuflamos com pseudônimos ou heterônimos só para podermos exibir nossa verdadeira identidade nas entrelinhas de cada texto.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s